MINHA FAMÍLIA

MINHA FAMÍLIA
Agradeço sua visita!
Neste espaço vou compartilhar com você um pouco do que tenho recebido de DEUS, que sempre nos dá muito mais do que merecemos.
Desde já agradeço a reflexão de seu comentário.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

ANIVERSÁRIO DE UMA MULHER DE EXCELÊNCIA


Existem mulheres de excelência?
Para um homem pensar um pouco mais!
A Palavra de Deus diz:
"Muitas filhas têm procedido virtuosamente, mas tu és, de todas, a mais excelente!" (provérbios 31:29)
A mulher de provébios 31 disntingui-se das outras mulheres também virtuosas, pela sua postura de excelência.
O que diria um homem que tem ao seu lado, não uma simples mulher mas uma mulher de excelência.
- Simples mãe? Não! Mãe de excelência!
- Simples esposa? Não! Esposa de excelência!
Aliás "excelência" é sua maior virtude!
Por isso é uma mulher virtuosa!
Um dia surgiu em meu coração como uma planta viçosa e florida, nascida no meio de um pantanal, no meio da lama ou no seco e árido deserto de minha vida.
Hoje exibe sua retumbante e exuberante beleza como a mais virtuosa da mulheres!
Vânia, você é a essência de minha vida!
Você é incomparável!
Te Amo!
Te Amo!
Te Amo!
Feliz Aniversário! Neste dia 18 de Maio de 2010
De seu Esposo que te ama muito!
Alberto Maciel Carneiro

quarta-feira, 5 de maio de 2010

CELEBRANDO A REDENÇÃO


A CELEBRANDO A REDENÇÃO

As imagens de Cristo no Brasil se resumem a retratá-lo como o bebê inofensivo na manjedoura, numa espécie de mágico ou guru ou na figura impotente sangrando na cruz.

A partir destas caricaturas, explica-se o abismo impressionante entre o que se afirma sobre o cristianismo e a ética dos que se chamam cristãos. Na epístola aos Filipenses temos o grande apóstolo dos gentios apelando apaixonadamente por unidade (Fp 2.2), humildade (2.3) e dedicação entre os crentes (2.3-4). Para que os cristãos vivam nesta nova vida, ele coloca diante deles o drama da redenção, numa das mais magníficas passagens da Bíblia.

PENSANDO UM POUCO MAIS NESTE TEXTO DE FILIPENSES 2.5-11:

v. 5:

· “Tende”: Tanto um apelo como uma exortação a se imitar a Cristo, por ser esta a regra da vida cristã.

· “Em vós”: o apóstolo tem em mente a comunidade cristã.

· “Mesmo sentimento”: “Em seu ser interior continuem a pôr sua mente nisto, que também (está) em Cristo Jesus” ou “isto esteja constantemente posto em sua mente e em seu interior, aquilo que também está em Cristo Jesus”: a unidade, a humildade e a solicitude (cf Fp 2.1-4).

· “Em Cristo Jesus”: Significa o drama da salvação, em que os crentes foram “inseridos” em sua conversão e batismo, quando os eventos salvadores da história de Cristo adquiriram significado pessoal, e os crentes passaram do domínio da velha natureza para a “nova vida” inaugurada pela vitória de Cristo sobre os poderes das trevas.

v. 6:

· “Existindo”: tem o sentido de permanente, isto é, Cristo Jesus existia e existe eternamente na forma de Deus.

· “Forma” se refere aquilo que é anterior, essencial e permanente na natureza de uma pessoa ou coisa,

· “sendo igual a Deus”; enquanto “reconhecido” aponta para seu aspecto externo, acidental ou aparente.

v. 6-7:

· Ele não considerou sua existência numa forma igual a Deus “numa forma de igualdade”, como um privilégio ao qual apegar-se ou a usurpar; mas “a si mesmo se esvaziou”, “deu-se a si mesmo”: Se uma pessoa recusa apegar-se a uma coisa, quer dizer que se despoja dela, ou “se esvazia” dela. Ao esvaziar-se ou despojar-se, Cristo se esvazia ou se despoja de algo.

· “Assumindo a forma de servo”: está incluído aqui o assumir a aparência e maneiras de um ser humano, se humilhando e sendo obediente até a morte, e morte de cruz. Ele se fez “servo”. Cristo identificou-se com a humanidade não-redimida, escravizada às forças malignas, porque ele nasceu à semelhança dos homens, trilhando o caminho da obediência no sofrimento. “Eis aqui uma grande notícia! De fato, é uma espantosa notícia! Ele, o soberano Dono de todas as coisas, se torna Servo de todos. E ainda mais: ele continua o Dono”.

· “Tornando-se em semelhança de homens”: assumiu a natureza humana em fraqueza. No fim, é usado em antítese direta com: aquilo que ele poderia ter usurpado, ele entregou, e aceitou justamente o oposto, uma vida de total dependência de Seu Deus, como um filho obediente.

v. 8:

· As marcas da vida terrena de Cristo: “Se humilhou”, “se fez obediente”, “até a morte”, “morte de cruz”: dolorosa, ultrajante e maldita (Is 53.12).

· Ele se entregou ao limite máximo da submissão, a um tipo de morte reservado para aqueles que não têm direitos na sociedade: “da luz de Deus para a escuridão da morte”. Todo o seu caminho é um caminho em direção a sua morte, morte de cruz.

v. 9:

· Enquanto nos versículos 6-8 a ênfase está naquilo que Cristo fez, agora acentua-se aquilo que Deus fez para ele e por ele. “Sobremaneira”: “Deus o exaltou ao máximo”: o mesmo que se humilhou foi exaltado, mas com uma diferença: ele foi “superexaltado”, enaltecido de uma forma “transcendentemente gloriosa” ou “à mais elevada excelsitude”.

· Estão implícitas aqui a ressurreição, a ascensão e a coroação – temos aqui uma reascensão à glória.

v. 10:

· A consumação de sua glória quando, no dia de sua vinda, todo joelho se dobrará diante dele e toda língua proclamará seu senhorio universal.

· “Deu o nome”: graciosa e gratuitamente lhe deu não um nome, mas o nome que está acima de todo a criação.

· “Ao nome de Jesus”: o nome completo ainda é omitido, aguardando o clímax.

· “Se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra”: Em seu regresso em glória, Jesus será adorado por todos – os anjos e os seres humanos redimidos farão isso com intensa alegria; os condenados farão isso com profunda tristeza e remorso, sem ocasião para arrependimento. Mas tão intensa será sua glória que todos, no céu, na terra e debaixo da terra, se sentirão impelidos a render-lhe adoração.

v. 11:

· O clímax: “E toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor”. Toda a criação proclamará publicamente o soberano senhorio de Jesus, o ponto mais alto do drama da salvação.

· O humilde “servo” Jesus foi coroado com glória e honra, e como o grande Vencedor continua celebrando seu triunfo e governa ativamente todas as coisas no interesse de seu povo.

· Esta é a mais antiga confissão de fé da igreja: Jesus Cristo é o verdadeiro e único Senhor. “Pela virtude do poder e majestade de Jesus Cristo, e pelo reconhecimento de que ele é o Senhor, toda língua o proclamará”.

· Cristo rege a criação “para glória de Deus Pai”, que é sempre o alvo, o propósito final de todas as coisas. Por meio da proclamação universal do senhorio de Jesus, a glória de Deus o Pai, que o ressuscitou e o exaltou soberanamente, e lhe deu o mais excelente nome, naturalmente será intensificada.


PENSAMENTO CENTRAL QUE VEMOS NOS TEXTO

· Todo o evangelho é resumido neste “cântico de salvação” que descreve o “caminho de Cristo”.

· O Filho, que é Deus em plena igualdade com o Pai na glória da Trindade, assumiu a humilhação da condição humana, exposto à miséria, pobreza e tentação.

· Permaneceu obediente e sem pecado, algo que ninguém mais conseguiu. E por isto foi morto na cruz por amor a pecadores.

· Mas, por sua morte foi exaltado sobre toda a criação, como o soberano Senhor de todo o universo – para a glória de Deus o Pai.