MINHA FAMÍLIA

MINHA FAMÍLIA
Agradeço sua visita!
Neste espaço vou compartilhar com você um pouco do que tenho recebido de DEUS, que sempre nos dá muito mais do que merecemos.
Desde já agradeço a reflexão de seu comentário.

terça-feira, 23 de março de 2010

ORAÇÃO DO PAI NOSSO p2

RIE: ORAÇÃO DO PAI NOSSO – PARTE 2
Texto base:
MATEUS 6.9-13
9 Portanto, orai vós deste modo: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome;
10 venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu;
11 o pão nosso de cada dia nos dá hoje;
12 e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores;
13 e não nos deixes entrar em tentação; mas livra-nos do mal. [Porque teu é o reino e o poder, e a glória, para sempre, Amém.]

Texto áureo:
“Que todos Reconheçam que o teu nome é Santo” (NTLH)
“Santificado seja o teu nome” (NVI)

INTRODUÇÃO:

É uma tradição que os mestres espirituais de cada religião façam ensine suas orações. Ensine “como” orar e “o que” orar.
Dentro de seus ensinamentos, apresente na formulação da oração sua filosofia de crença. Eles fazem uma síntese de seus ensinamentos. Propagando e disseminando sua ideologia: Exemplo: na nossa realidade religiosa católica brasileira vemos a famosas orações de São Francisco de Assis, de Santa Tereza, de são bento, cada um ensina a síntese de sua mensagem.
Na oração do Pai nosso não é diferente. Em Lucas capítulo 11 os discípulos viram Jesus orar pediram para que os ensina-se a orar também. Foi o pedido dos discípulos!
Então podemos entender que como os mestres espirituais de cada religião ensinam seus seguidores como e o que orar, no Cristianismo não é diferente, Jesus aqui está ensino sua Religião. É a religião de Jesus.
Jesus nos dá respostas para os grandes anseios espirituais do ser humano, que são suas necessidades básicas para sua vida espiritual e estrutural. Nisso vemos 4 grandes anseios e conflitos que vivemos: a busca de significado, a fome, o peso da culpa e o medo do mal.
A busca de significado: qual é o sentido de todas as coisas, qual o sentido da vida, qual o sentido do mundo. Temos que encontrar resposta pra isso.
A fome: somos seres com apetites, sempre movidos na direção de algo mais. Somos naturalmente insatisfeitos. Queremos saciar nossa fome para obtermos a satisfação plena.
O peso da culpa: carregamos uma culpa, nós nos compreendemos como devedores. Todos nos temos dividas que nos oprimem. Sentimos-nos endividados como pais, como cônjuge, como cidadãos, como amigos como cristãos. Sempre alguém nos cobram essa culpa, essa divida de uma espiritualidade.
O medo do mal. Carregamos sempre em nossa alma o medo. Medo do mal, medo perder tudo medo que nos sobrevenha o dia mal (Jó 3.25,26).
Jesus na oração do PAI NOSSO oferece respostas para esses 4 conflitos do ser humano que são suas necessidades básicas. O Senhor dá resposta aos conflitos Circunstanciais e existenciais.
Que conflitos são esses? Dividas! Relacionamento! Conduta Profissional!

Focalizamos agora o texto da oração do Pai nosso onde se diz “que todos reconheçam que o seu nome é Santo”.

Na Bíblia, “nome”, muitas vezes, quer dizer a própria pessoa.
Santificado quer dizer venerado ou honrado. Está em foco a honra de Deus entre os homens. Que sejam reconhecidas a sua bondade e santidade entre os homens. A primeira petição é que o caráter santo e bondoso de Deus seja reconhecido e respeitado entre os homens, conforme já sucedeu nos céus, onde Deus apresenta suas principais manifestações.
A principal necessidade aqui é o reconhecimento e reverencia pelo nome de Deus.
Jesus só se satisfazia quando o nome de Deus era santificado na conduta diária dos homens, e não por motivo de meras palavras e orações.

Quando é que santificamos o nome Senhor?

1. Quando entendemos o Enigma da Graça de Deus.
a. No nível humano, Judas O entregou aos sacerdotes, os quais O entregaram a Pilatos, que O entregou aos soldados, os quais O crucificaram.
b. Mas no nível divino, o Pai O entregou, e Ele se entregou a Si mesmo para morrer por nós.
c. E hoje, à medida que encaramos a cruz, pois, podemos dizer a nós mesmos: “eu o matei, meu pecados O enviaram à Cruz”.
d. Acima de Tudo quem o levou a Cruz foi o seu próprio amor por nós. Ele se matou, Seu amor o levou a cruz!
e. Amar o Pai através disto e entender o enigma da graça de Deus.
f. Não precisa de absurdos na adoração, apenas viva a graça.

2. Reconhecemos que seu nome é santo quando pregamos que Ele é o caminho para a salvação.
a. Pregar o evangelho é proclamar o nome do Senhor.
b. Pregar é proclamar que Jesus é o único caminho.
c. Pregar é proclamar que Jesus é uma realidade presente.
d. É uma realidade permanente.
e. É a nossa fé pessoal.
f. Portanto santificamos, exaltamos, adoramos e glorificamos o nome do Senhor quando cumprimos a missão “IDE”.


3. Quando nos tornamos um adorador por aquilo que o Nosso Pai é.
a. Adorando o seu Santo Nome (Isaias 9.6)
i. “...ele será chamado Conselheiro Maravilhoso, Deus Poderoso, Pai Eterno e Príncipe da Paz”
b. Adorando ao Senhor sem cessar (Salmos 34.1)
i. “Eu sempre darei graças a Deus, o Senhor; o seu louvor estará nos meus lábios o dia inteiro.”
c. Adorando em Espírito e em Verdade (João 4.24)
i. “Deus é espírito, e por isso os que o adoram devem adorá-lo em espírito e em verdade”.

Conclusão
Que todos reconheçam que o Seu nome é Santo. Que Deus é Santo, Que Cristo é Santo e que o Espírito Santo é Santo.
Santificamos o nome de Deus quando verdadeiramente reconhecemos QUE O PAI QUE É NOSSO É SANTO.

Rev. Alberto Maciel Carneiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário